Economia e Finanças

9,3 milhões devem ir às compras de Natal na última hora

Pesquisa realizada em parceria com a Offer Wise Pesquisas aponta que expectativa por promoções, falta de tempo e pagamento do 13º salário são principais justificativa dos ‘atrasadinhos’

Cerca de 9,3 milhões de consumidores deixarão para fazer as compras de Natal na última hora. É o que aponta levantamento da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) em parceria com a Offer Wise Pesquisas. O dado corresponde a 9% dos consumidores que têm a intenção de fazer alguma compra na semana que antecede o Natal, número próximo aos 10% registrado no ano passado.

De acordo com a pesquisa, a expectativa por promoções (61%), que ajudam a economizar no orçamento, é a principal justificativa dos entrevistados para postergar as compras. Outros 15% destacaram a falta de tempo, enquanto 15% estão à espera do pagamento da segunda parcela do 13º salário. Há ainda 10% de entrevistados que culpam a preguiça de fazer compras, empurrando a tarefa para o limite da data comemorativa.

A pesquisa ainda mostra que a maior parte dos consumidores (40%) pretendia realizar as compras de Natal na primeira quinzena de dezembro, enquanto 33% esperava se organizar e garantir os presentes ao longo do mês de novembro.

Compras de última hora podem causar aglomerações e atrapalhar orçamento
Na avaliação do presidente da CNDL, José César da Costa, o consumidor deve ficar atento esse ano aos riscos de ocorrerem aglomerações. “Esse é um ano atípico. Diante da pandemia da Covid-19, as aglomerações devem ser evitadas”, orienta José César.

O dirigente também chama atenção para o fato de que lojas muito cheias dificultam as negociações e a pesquisa de preços. “O recomendado é se organizar, preparar uma lista de todos os presentes, estipular um teto de gastos e só levar para as compras o dinheiro disponível. Isso ajuda a evitar que o consumidor gaste além do valor previsto”, aconselha.

“Para quem deixou para a última hora, é importante saber que muitas lojas on-line já não conseguem entregar o produto antes do Natal, então este consumidor deve se atentar ao prazo de entrega antes de realizar suas compras, e pode precisar recorrer às lojas físicas. A dica para quem ainda não garantiu os presentes é analisar o orçamento e dar preferência para ir ao comércio em horários com menos fluxo de pessoas. Esse ano temos a grande preocupação de evitar aglomerações e filas, que podem trazer riscos à saúde da população”, alerta o presidente da CNDL.

Compartilhe:
Relacionadas
Economia e Finanças

Empréstimo pode ajudar pequenos empresários, mas precisa ser bem planejado

No final de abril, o governo editou uma medida provisória que vai oferecer R$ 23 bilhões em crédito para pequenos negócios. Segundo o Ministério da Economia, a expectativa é que os recursos sejam disponibilizados em até 2 meses em mais de 40 bancos. Compartilhe:
Economia e Finanças

Em tempos de inflação alta, maior variedade de produtos vira trunfo no e-commerce

Mais uma vez, o Mercado Livre mostrou um volume de vendas totais difíceis de superar. Foram US$ 7,7 bilhões no primeiro trimestre, crescimento de 26,5%, em dólar, e de 31,6% em moeda constante na comparação com o mesmo período de 2021. Compartilhe:
Economia e Finanças

Salário recebido nas regiões Sul e Sudeste cai quase 10% em um ano

O rendimento médio real de todos os trabalhos recebidos mensalmente pelos brasileiros com mais de 14 anos desabou quase 10% para os profissionais das regiões Sul (-9,47%) e Sudeste (-9,96%) no primeiro trimestre deste ano, na comparação com o mesmo período de 2021. Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.