Movimento Varejo

Com que veículo eu vou?

Conheça os diferentes modais para entregas no Brasil

Por Vinicius Pessin*

A equação entre aceleração digital, pandemia de covid-19 e novos canais de vendas fez o varejo brasileiro dedicar mais atenção a um serviço essencial para o sucesso de qualquer negócio: a entrega dos produtos. Se antes era uma preocupação quase exclusiva das lojas virtuais, agora é um assunto totalmente estratégico para quem deseja ter um bom desempenho em vendas. À medida que o omnichannel se consolida, é preciso garantir meios de levar os produtos a seus consumidores – não importa se a compra é na loja ou na web. Mas quais são esses meios? De bicicleta a caminhão, há diversas opções para os varejistas escolherem.

Confira as características de cada modal para impulsionar a estratégia de delivery:

1 – Bicicletas
As bicicletas, convencionais ou elétricas, estão em alta porque proporcionam mais agilidade às entregas. Com a consolidação de ciclovias nos grandes centros urbanos e a possibilidade de rotas alternativas para os ciclistas, é possível fugir de problemas comuns à realidade brasileira, como o trânsito lento. Com essa opção, o lojista pode fazer entregas no mesmo dia para seus clientes, desde que localizados próximos à loja ou ao centro de distribuição. A desvantagem é justamente o raio de atuação: é um tipo de transporte que não consegue atender a longas distâncias.

2 – Motos
É a opção indicada para quem deseja combinar a mobilidade da bicicleta com a capacidade de atingir regiões mais afastadas da empresa. As motos não têm a facilidade de explorar ciclovias, evidentemente, mas são bem mais ágeis do que os carros, permitindo furar o trânsito engarrafado com mais facilidade – o que também possibilita entregas realizadas no mesmo dia e até em questão de horas. O problema é que a moto, assim como a bicicleta, também tem uma limitação física para transportar volumes maiores.

3 – Carros
A utilização dos carros é uma das opções mais seguras e eficientes para o transporte dos pedidos realizados pelos clientes. Primeiro, pela proteção que proporciona aos itens, uma vez que eles podem ser alocados no porta-malas e não ficam expostos em bagageiros (como nas bikes e motos). Além disso, é possível fazer longas distâncias, incluindo viagens a outras cidades. Por fim, também são bem mais econômicos porque estimulam a utilização do crowdshipping, em que cidadãos comuns utilizam seus próprios veículos para as entregas. O único ponto negativo é a capacidade de transporte, impedindo que o veículo leve vários pedidos de uma vez.

4 – Furgões
Conforme o volume de encomendas cresce, a loja precisa disponibilizar veículos maiores para conseguir levar o máximo de pedidos de uma vez – e é neste tópico que entram os furgões. É comum ver nas ruas das grandes cidades brasileiras automóveis desse tipo das principais redes varejistas. Por meio deles é possível entregar um número bem maior de encomendas por dia sem precisar deslocar o entregador para pegar novos pedidos na loja. Com a modalidade elétrica, também se revela uma alternativa de baixo custo e sustentável. O único contraponto é o tempo de entrega, uma vez que o os furgões irão cumprir um determinado itinerário e uma compra, invariavelmente, ficará para o fim do dia.

5 – Caminhões
É o transporte de encomendas mais conhecido e famoso do Brasil. Com o advento das rodovias, os caminhões se tornaram no modal mais recomendado para transporte de cargas entre as cidades e estados. A vantagem, evidentemente, é a capacidade para grandes volumes em sua carroceria, permitindo que itens pesados como eletrodomésticos sejam levados em segurança. Entretanto, há um ônus: este veículo não é recomendado para as entregas last mile, ou seja, aquelas que levam o produto até o consumidor. Assim, ele pode ser utilizado para transportar diferentes itens pelas rodovias e a parte final ser complementada com algum modal citado anteriormente.

*Vinicius Pessin é CEO da Logtech Eu Entrego, startup de entregas colaborativas.

Compartilhe:
Relacionadas
Movimento Varejo

Brasil reduz para 3 dias o tempo de abertura de negócios em todos os estados

Pela primeira vez, todos os estados brasileiros e o Distrito Federal reduziram o tempo de abertura de empresas e negócios no nosso país para menos de três dias. Os dados são do painel da Receita Federal, gestora do sistema integrador nacional. O último estado a bater este recorde foi a Bahia. Esse é o resultado do trabalho coletivo da REDESIM nas esferas federais, estaduais e municipais, marcando conquistas que desburocratizam a abertura de empresas no Brasil e beneficiam o empreendedor brasileiro. Compartilhe:
Movimento Varejo

Precifica organiza 1ª Pricing & Revenue Masterclasses

A Precifica, especialista em soluções de pricing, em parceria com Fabiano Coelho, PhD em Business Administration pela Florida Christian University e professor da Fundação Getulio Vargas (FGV), vai realizar a primeira edição das “Pricing & Revenue Masterclasses: à frente na digitalização exponencial”. As aulas acontecerão nos dias 2, 9, 16, 23 e 30 de agosto, das 19h às 20h30, e a inscrição pode ser feita por meio do site da Precifica (clique aqui). Compartilhe:
Movimento Varejo

Quais setores podem se beneficiar das tendências logísticas ao longo deste ano?

As empresas de entregas rápidas, por serem as encarregadas de chegar com os pedidos até os clientes, precisam ser capazes de entender os sentimentos deles, definindo as tendências logísticas do setor e agindo como um elo crucial dessa cadeia. Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.