Economia e Finanças

Gasolina volta a subir nas bombas, diz Ticket Log


O último levantamento do Índice de Preços Ticket Log (IPTL) apontou que o preço médio do litro da gasolina aumentou 1,19%, em relação a outubro, nas primeiras semanas de novembro e fechou o período a R$ 5,30. O etanol seguiu a mesma tendência de alta e fechou a R$ 4,25, com acréscimo de 0,98%.

“Após quatro meses de quedas consecutivas em todo o País, o preço do litro da gasolina e do etanol apresentou nova alta em todas as regiões, conforme o último levantamento da Ticket Log. Vale ressaltar que, no fechamento de outubro, o preço médio dos combustíveis ainda apresentava baixa, porém já desacelerada, se comparado a meses anteriores”, comenta Douglas Pina, Diretor-Geral de Mainstream da Divisão de Frota e Mobilidade da Edenred Brasil.

As regiões mais impactadas pelos acréscimos no preço da gasolina foram o Centro-Oeste e o Sul, onde os aumentos chegaram a 2,79% e 2,73%, respectivamente. Já o preço médio mais alto para o combustível foi registrado no Norte, a R$ 5,46, com acréscimo de 0,39%. Apesar de registrar o segundo aumento mais expressivo do país, a gasolina no Sul apresentou o menor preço médio entre as demais regiões, de R$ 5,08.

Ainda sobre o recorte regional, o etanol ficou 5,50% mais caro no Centro-Oeste, aumentou 4,14% no Sudeste e 2,86% no Sul. Apenas o Norte e o Nordeste registraram recuo do valor do combustível, de 2,16% e 0,45%, respectivamente. Ainda assim, o etanol no Centro-Oeste fechou a R$ 3,90, a média mais baixa entre as regiões; e o Norte registrou o litro mais caro para o combustível, a R$ 4,58.

Entre os Estados e o Distrito Federal, os postos brasilienses tiveram o maior aumento no preço médio da gasolina, de 5,03%, que passou de R$ 5,12 para R$ 5,38. A média mais alta foi registrada em Roraima, a R$ 5,88. Quanto aos menores preços, São Paulo apresentou a média mais baixa para a gasolina, de R$ 5,00, e apenas o Amazonas, Rondônia, Pernambuco e Roraima registraram recuos no valor do combustível, de 1,13%, 0,65%, 0,46% e 0,41%, respectivamente.

Para o etanol, o aumento mais expressivo foi registrado nos postos de abastecimento de Goiás (8,05%), que passou de R$ 3,48 para R$ 3,76. Assim como para a gasolina, a média mais alta também foi encontrada em Roraima, a R$ 5,34 e a mais baixa em Pernambuco, a R$ 3,51. A maior redução para o etanol, no comparativo com outubro foi registrada em Rondônia (6,58%), onde o combustível passou de R$ 4,76 para R$ 4,45.

“Na análise do combustível mais vantajoso para abastecimento, São Paulo agora passa a ter a gasolina como opção mais econômica. O resultado não mudou em relação a outubro para os Estados da Bahia, Goiás, Mato Grosso e Paraíba, que novamente tiveram o etanol como mais econômico. Por ser um combustível produzido a partir da cana-de-açúcar ou milho, o etanol é capaz de reduzir consideravelmente as emissões de gases responsáveis pelas mudanças climáticas. E ainda que a gasolina apresente a combinação custo e benefício por quilômetro rodado, é o etanol que ainda é o combustível ecologicamente mais viável para abastecimento”, finaliza Pina.

O IPTL é um índice de preços de combustíveis levantado com base nos abastecimentos realizados nos 21 mil postos credenciados da Ticket Log, que tem grande confiabilidade, por causa da quantidade de veículos administrados pela marca: 1 milhão ao todo, com uma média de oito transações por segundo. A Ticket Log, marca de gestão de frotas e soluções de mobilidade da Edenred Brasil, conta com mais de 30 anos de experiência e se adapta às necessidades dos clientes, oferecendo soluções modernas e inovadoras, a fim de simplificar os processos diários.

Fonte: Ticket Log

Relacionadas
Economia e Finanças

Consumo nos Lares Brasileiros encerra o ano em alta de 3,89%

Resultado é o maior dos últimos 15 meses e foi puxado pelo pagamento de benefícios sociais AbrasMercado: carne bovina, açúcar, óleo de soja, leite longa vida registram deflação no período.
Economia e Finanças

61% dos donos de MPEs recorreram a empréstimos pessoais para financiar a própria empresa

Segundo levantamento do Sebrae, o porte do empreendimento e o nível de escolaridade do empresário são fatores que influenciam na hora de solicitar crédito aos bancos.
Economia e Finanças

Compras online atingem quase R$ 170 bilhões no Brasil em 2022

Pesquisa da ABComm confirma previsão de crescimento de 5% em relação a 2021 e atribui o equilíbrio ao retorno dos consumidores às ruas.