Economia e Finanças

Consumo nos Lares Brasileiros cresce 2,67% no ano, aponta ABRAS

Preço dos alimentos nos supermercados têm queda de 9,89%; cesta de alimentos básicos passa de R$ 362,84 para R$326,96; cesta AbrasMercado passa de R$ 757,97 para R$ 745,03

A Associação Brasileira de Supermercados (ABRAS) anunciou nesta quinta-feira (13) o aumento acumulado no ano de 2,67% no Consumo nos Lares Brasileiros. A alta ainda é maior na comparação entre agosto e julho deste ano, com crescimento de 6,12%. Na comparação agosto de 2022 e o mesmo mês do ano passado, a alta é de 7,23%. Todos os indicadores são deflacionados pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), medido pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

“Na conjuntura econômica, o crescimento das vagas de emprego formal, o aumento no valor dos benefícios sociais, como o Auxílio Brasil e queda nos preços dos alimentos contribuíram para o crescimento do Consumo nos Lares”, afirma o vice-presidente da ABRAS, Marcio Milan.

Alimentos mais baratos
Outra boa notícia é a queda do preço dos alimentos nos supermercados. De acordo com a ABRAS, a baixa foi de 9,89% no preço dos gêneros alimentícios no terceiro trimestre (de julho a setembro) deste ano. Com isso, o AbrasMercado – indicador que mede a variação de preços nos supermercados – registra a segunda deflação consecutiva, puxada por produtos básicos, como leite, óleo de soja, feijão e açúcar. Em agosto, queda de -2,61%, e em setembro, -1,71%. O preço da cesta, na média nacional, passou de R$ 757,97 em agosto para R$ 745,03 em setembro.

A cesta Abrasmercado é composta por 35 produtos de largo consumo, que inclui alimentos, bebidas, produtos de limpeza e itens de higiene e beleza. Na cesta de 12 produtos – açúcar, arroz, café moído, carne bovina, farinha de mandioca, farinha de trigo, feijão, leite longa vida, margarina, massa sêmola de espaguete, óleo de soja e queijo muçarela – os preços médios caíram de R$ 362,84 em julho para R$ 326,96 em setembro.

“A deflação já começa a ser percebida pelo consumidor nas gôndolas do supermercado, principalmente nos alimentos que foram fortemente impactados pelo conflito no leste europeu, como o óleo de soja e outros derivados das commodities agrícolas. Outros fatores, como o fim da entressafra na cadeia leiteira tendem pressionar menos o preço dos lácteos que tiveram alta expressiva nos últimos meses”, analisa Milan.

Em agosto, houve retração nos preços do leite longa vida (-13,71%), óleo de soja (-6,27%), feijão (-4,78%), tomate (-3,82%), carne bovina – cortes de dianteiro (-1,17%) e açúcar refinado (-1,07%).

As principais altas ficaram com a cebola (11,22%), farinha de mandioca (3,98%), batata (2,76%) sabão em pó (2,42%), sabonete (1,94%).

De acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) a deflação acumulada pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) nos meses de julho a setembro foi de 1,32%, a maior queda de preços para um período de três meses de toda a série histórica da pesquisa, iniciada em 1980.

Novas lojas
O setor supermercadista abriu 238 novas lojas e reinaugurou 54 de janeiro a setembro deste ano. Do total de novas lojas, 117 são supermercados e 121, atacarejos.

Fonte: ABRAS

Relacionadas
Economia e Finanças

Consumo nos Lares Brasileiros encerra o ano em alta de 3,89%

Resultado é o maior dos últimos 15 meses e foi puxado pelo pagamento de benefícios sociais AbrasMercado: carne bovina, açúcar, óleo de soja, leite longa vida registram deflação no período.
Economia e Finanças

61% dos donos de MPEs recorreram a empréstimos pessoais para financiar a própria empresa

Segundo levantamento do Sebrae, o porte do empreendimento e o nível de escolaridade do empresário são fatores que influenciam na hora de solicitar crédito aos bancos.
Economia e Finanças

Compras online atingem quase R$ 170 bilhões no Brasil em 2022

Pesquisa da ABComm confirma previsão de crescimento de 5% em relação a 2021 e atribui o equilíbrio ao retorno dos consumidores às ruas.