Economia e Finanças

Varejo volta a crescer após seis meses, mas situação é de cautela

Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

Segundo analista do Sebrae o aumento dos combustíveis pode impactar fortemente o resultado de diversos setores do comércio

O segmento do comércio varejista voltou a registrar crescimento no último mês de janeiro, após uma sequência de seis meses de estagnação. Segundo a Pesquisa Mensal de Comércio (PMC), divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o setor verificou um avanço de 0,8%. Apesar de positivo, o resultado não foi suficiente para recuperar as perdas acumuladas na pandemia e encontra-se 0,8% abaixo do patamar registrado em fevereiro de 2020.

Para o analista de Competitividade do Sebrae, Flávio Petry, as atividades que puxaram os resultados positivamente foram os setores de equipamentos e material para escritório informática e comunicação (0,3%), Artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos e de perfumaria (3,8%), e de outros artigos de uso pessoal e doméstico (9,4%). No espectro oposto ficaram as atividades de hiper e supermercados que apresentaram recuo de 0,1%. Também apresentaram perdas os setores de Tecidos, vestuário e calçados (-3,9%); Livros, jornais, revistas e papelaria (-2,0%); Móveis e eletrodomésticos (-0,6%); Combustíveis e lubrificantes (-0,4%).

Segundo o analista, para avaliar as perspectivas para o segmento no curto e médio prazo é importante levar em consideração alguns aspectos importantes. Um deles é a sinalização dada pelo IPCA – Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo, principal indicador de inflação medido pelo próprio IBGE. No mesmo período de referência do estudo da PMC, ou seja, janeiro x dezembro, houve um acréscimo de 0,54%, sendo que as categorias que lideraram o avanço deste índice foram Artigos de Residência (1,82%), Alimentação e bebidas (1,11%), Vestuário (1,07%) e Comunicação (1,05%). “Percebe-se que a inflação de determinadas categorias acaba pressionando diretamente no seu desempenho”, comenta Petry.

Outra métrica que auxilia na compreensão do contexto em que o comércio está inserido é o Índice de Confiança do Comércio (ICOM) do Instituto Brasileiro de Economia da FGV (FGV IBRE). No último levantamento do Instituto, houve uma elevação de 2,1 pontos em fevereiro, ao passar de 84,9 para 87,0 pontos, primeira alta depois de três meses de quedas consecutivas. Em médias móveis trimestrais o indicador cedeu 0,3 ponto, a sexta queda consecutiva. “Isso demonstra um otimismo ponderado por parte dos empresários do setor. Se por um lado há uma boa perspectiva de recuperação com a flexibilização do funcionamento das atividades que haviam sido mais pressionadas pelas consequências da pandemia, por outro lado, quando se trata de algumas variáveis que podem impactar significativamente toda cadeia, o varejo se demonstra extremamente volátil”, comenta o analista do Sebrae. “Este é o caso dos possíveis impactos que o aumento do custo dos combustíveis pode acarretar no preço final dos produtos, consequentemente pressionando inflação e influenciando nos resultados de vendas”, acrescenta.

Ainda de acordo com Flávio Petry, considerando que o principal modal logístico utilizado para a distribuição de bens no país é o terrestre, que depende quase que exclusivamente dos combustíveis derivados do petróleo, a expectativa é que diversos segmentos venham a ser impactados. “Essa situação abre uma oportunidade para o fortalecimento das vendas locais que ainda possuem estoque em um primeiro momento. Todavia, com o giro dos estoques, há uma tendência de correção dos valores de modo a repassar parte dos custos direto ao consumidor final”, acrescenta. “Para estar mais bem preparado, o comerciante pode considerar a elaboração de estratégias que passam desde a revisão da estrutura de custo, à avaliação e possível recomposição do seu mix de produtos, avaliação dos canais de vendas e dos serviços agregados”, conclui o analista do Sebrae.

Fonte: Agência Sebrae

Compartilhe:
Relacionadas
Economia e Finanças

Pequenos negócios geram renda de R$ 420 bilhões por ano

Os pequenos negócios geram renda em torno de R$ 420 bilhões por ano, o equivalente a cerca de um terço do Produto Interno Bruto (PIB, soma dos bens e serviços produzidos) brasileiro. A estimativa consta do Atlas dos Pequenos Negócios, lançado pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), que hoje (5) completa 50 anos. Compartilhe:
Economia e Finanças

Negociações com condições diferenciadas são prorrogadas até 31 de outubro

Agora pessoa jurídica pode obter até 65% de desconto e prazo em até 120 prestações. Compartilhe:
Economia e Finanças

Linha de crédito do Pronampe já está disponível para os pequenos negócios

A partir de agora, é necessário compartilhar informações sobre o faturamento da empresa, por meio do Portal do Centro Virtual de Atendimento (Portal e-CAC). Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.