Movimento Varejo

10 dicas para criar sua loja virtual e não perder negócio

Levantamento da CNDL e SPC Brasil mostra que 91% dos internautas brasileiros realizaram alguma compra pela internet nos últimos 12 meses

Nos dias de hoje, é impensável que ainda haja negócios fora da internet. Estas empresas perdem oportunidades de negócios, e muitas. Só para ter ideia da importância de o empreendimento ter loja virtual e/ou sites/blogs e perfis nas redes sociais, 91% dos internautas brasileiros realizaram alguma compra pela internet nos últimos 12 meses, um crescimento de 5 pontos percentuais em comparação com 2019, de acordo com pesquisa realizada pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil), em parceria com a Offer Wise Pesquisas. O levantamento foi divulgado nesta quarta-feira (26).

Baixe a pesquisa Consumo online no Brasil, da CNDL e SPC Brasil, e confira todos os dados do levantamento.

O Brasil tem cerca de 134 milhões de usuários de internet, segundo dados do levantamento TIC Domicílios, do Comitê Gestor da Internet (CGI.br), divulgado no ano passado. Para aproveitar as oportunidades de negócios geradas por estas pessoas, o comércio online já vinha em ampla expansão nos últimos anos, e acabou ganhando ainda mais força com a pandemia da Covid-19. Com o fechamento das lojas físicas e a orientação para que a maioria das pessoas ficassem em casa a fim de reduzir a taxa de contágio do vírus, as compras online explodiram.

“O varejo brasileiro já vinha se adaptando a essa nova realidade do consumo online, mas a pandemia da Covid-19 representou uma verdadeira revolução no setor. Até mesmo aquele pequeno comércio teve que se adequar e passou a vender por meio das redes sociais e WhatsApp. Enquanto isso, as grandes lojas investiram em sites mais rápidos e em aplicativos”, pontua o presidente da CNDL, José César da Costa.

E o dispositivo mais utilizado nas compras pela internet é o celular smartphone (87%), que apresentou um avanço de 20 pontos percentuais em relação ao estudo realizado em 2019, sobretudo entre as mulheres (90%) e entre os brasileiros com idades entre 18 e 34 anos (93%), segundo a CNDL e o SPC Brasil. Entre os tipos de lojas online mais utilizados, os grandes varejistas nacionais ainda lideram, embora, com recuo de 11 pontos percentuais frente a 2019 (de 90% para 79%).

Os sites também são o canal online mais usado pelo consumidor para a compra na grande maioria dos segmentos investigados, sobretudo no caso dos eletrônicos e informática (50%), eletrodomésticos (50%) e livros (43%). A exceção são os alimentos, já que 35% costumam comprar pelos aplicativos, enquanto 18% citam os sites.

“Os aplicativos cresceram como canal de consumo de diversos itens pesquisados, principalmente no segmento de entrega de alimentos. O consumidor está cada dia mais habituado a acompanhar as ofertas e condições de entrega como frete grátis e programas de fidelidade, muito comuns nesse tipo de e-commerce”, destaca o presidente da CNDL.

E como estar na internet?
A aceleração digital dos canais de venda e de relacionamento é uma transformação recente e ainda está em curso. Cássio Rosas, coordenador de Marketing e Estratégia da plataforma Wiboo, que promove programa de fidelização entre varejistas e consumidores por meio de moedas digitais, também concorda que a pandemia de covid-19 apenas reforçou a importância dessa mudança em todo o mundo. “Por muito tempo, diversos varejistas ainda ignoravam o poder dos canais digitais em seus negócios e focavam apenas nos pontos de venda do “mundo real”. Agora, isso não é mais possível. Não importa o tamanho ou o segmento da loja: investir em tecnologia é essencial”, afirma Rosas.

Para o especialista em marketing, o melhor caminho para o negócio entrar na internet é investindo em plataformas digitais que permitam manter as vendas e o relacionamento com os clientes. “É preciso encontrar soluções que oferecem eficiência, segurança e rapidez em todos os processos do negócio. Aposte em uma plataforma de engajamento que crie um ambiente virtual no qual a pessoa possa interagir com a marca, comprar seus produtos e ampliar o alcance da loja”, ensina Cássio Rosas.

As pessoas gostam e querem comparar preços pela internet, provar e conhecer o que querem comprar em lojas físicas, acessar aplicativos de lojas de qualquer parte do mundo e comprar por dispositivos mobile… Com isso, os varejistas podem e devem vender por diversos canais, seja em lojas físicas, seja através de e-mails, redes sociais, apps, sites, telefones…

A equipe da Varejo SA selecionou 10 dicas para colocar o seu negócio no mundo virtual, ambiente comercial tão propício ao crescimento. Confira:

1) Identifique seu nicho: antes de se aventurar na internet, é importante identificar os nichos e onde seu negócio se encaixa, bem como conhecer seus concorrentes e sua atuação no ambiente digital. Faça pesquisa de mercado a fim de medir a parcela de consumidores online que poderá alcançar. Converse ainda com seus clientes para saber o que eles acham desta transição, aproveitando a ocasião para apresentá-los os benefícios de comprar em seu e-commerce, e descobrir o que querem comprar. Isso ajudará o seu negócio não errar na hora de montar as estratégias para o seu e-commerce.

2) Mecanismos de busca: o Google e os demais mecanismos de buscas são os melhores amigos de quem quer ser encontrado na internet. Por isso, aprenda as técnicas de SEO (Search Engine Optimization).

3) Ferramentas: para que seu e-commerce não fracasse, é crucial conhecer e aprender a utilizar ferramentas que o meio digital oferece, como as formas de pagamento online, relacionamento com o cliente e de análises de métricas.

4) Invista em site/ecommerce profissional: existem plataformas de sites gratuitas (ex.: Wix e WordPress), nas quais o empreendedor pode criar seu site, no entanto, o mais indicado é optar por um site profissional ou plataformas de ecommerce, prezando pela segurança dos dados da empesa e dos clientes e por funcionalidades que otimizarão seu e-commerce. Outro aspecto fundamental é construir sites e lojas responsivos, ou seja, que se adequam à celular, tablet, notebook etc. Hoje, o celular se tornou o principal meio de acesso à internet dos usuários. Muitos deles, inclusive, preferem resolver e comprar apenas por esse dispositivo mobile.

5) Cuidados que a loja virtual deve ter: a gestão do estoque e logística são questões-chave para o bom desempenho da sua loja online. Para facilitar o gerenciamento, devem estar integrados os sistemas de logística, estoque e financeiro. É fundamental que seu site tenha dispositivo simulador de fretes, de forma que o cliente calcule o valor da entrega. Além disso, é necessário ter uma estrutura de entrega de produtos, que pode ser feita transportadores particulares ou pelos Correios, e regras estabelecidas de devoluções e trocas.

6) Marketing Digital: Para conquistar clientes e alcançar um bom potencial de vendas online, é crucial fazer com que as pessoas conheçam e confiem em sua marca. No caso da internet, o Marketing Digital é o seu aliado para conquistar mentes e corações. O ideal é procurar uma agência e/ou um profissional da área para montar seu plano de marketing digital.

7) Variedade de produtos: se sua loja vende roupas, por exemplo, nada melhor que variar tamanhos, cores e estilos. A diversidade de opções de peças aumenta as chances de satisfazer uma gama maior de clientes.

8) Diversifique as formas de pagamento: uma das principais causas para o cancelamento de compras, depois do frete, é a restrição de meios de pagamento no site. Para o consumidor, não encontrar a forma de pagamento que atenda a sua realidade financeira é tão frustrante quanto não encontrar o seu objeto de desejo. Por isso, diversifique as formas de pagamento: à vista, boleto, cartão de crédito, PIX, sites e apps de pagamento, como PicPay e PagSeguro etc. Quanto mais opções, maior é o leque de possibilidades para o cliente, mais satisfeito ele fica.

9) Canais de comunicação: facilite o acesso aos canais de comunicação. Além dos meios tradicionais, como e-mail, SAC e telefone, aposte no Whatsapp ou em chat online. Deixe sempre “à mão” o botão para o cliente mandar mensagens instantâneas, tirando dúvidas e/ou fazendo sugestões/reclamações. Isso garante comodidade e segurança para quem está visitando seu site e/ou comprando suas mercadorias, uma vez que se houver qualquer imprevistos em sua compra, o comprador poderá facilmente entrar em contato com sua loja online.

10) Redes sociais: as redes sociais são ferramentas excepcionais para atingir um grande público em um curto espaço de tempo. Crie perfis de sua empresa nas redes sociais que tem o público-alvo do seu negócio. Mais que investir em divulgação, o segredo está em oferecer informações valiosas para os seguidores. É claro que não pode faltar uma boa foto, uma excelente legenda/texto e meios para contato. Participar dos vídeos e ações da moda (ex.: as dancinhas do TIK TOK e compartilhar a rotina do empreendedor nos Stories) também podem gerar engajamento e fidelização.

Compartilhe:
Relacionadas
Movimento Varejo

Vendas do comércio varejistas crescem 1,2% e indicam retomada

Segundo a edição de setembro do Panorama do Comércio, depois do recuo observado em junho de 2021, o varejo voltou a registrar um resultado positivo no mês de julho. Compartilhe:
Movimento Varejo

Brasileiros querem fazer turismo nacional

Segundo a pesquisa Tomorrow’s Consumer, divulgada no primeiro dia de Latam Retail Show 2021, quase 60% dos brasileiros entre 60 e 80 anos desejam viajar pelo país Compartilhe:
Movimento Varejo

Abertura da Semana de Alimentação Fora do Lar tem clima de retomada com novidades

Diante de lideranças do setor e do poder público, Abrasel anunciou o Open Delivery, plataforma para facilitar a integração de pedidos que chegam por diversos sistemas. Compartilhe:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.